quarta-feira, 6 de dezembro de 2006

Quando tiver tempo

Quando tiver tempo,
fechar-me-ei num armário,
e escavarei lascas de madeira,
feitas grãos de areia,
e, então,
verei
como é lindo o cimo do sonho,
o tecto feito azul,
as teias de aranha;
nuvens,
o bicho da madeira;
marulho do mar.
Então,
abrirei a porta
e o vento da morte
cercar-me-á,
mas não me levará consigo,
porque me fechei num velho armário,
já esquecido pelo tempo.

Vós

Uma voz.
Nada diz.
Apenas o suave batuque
das esperas que se não ouvem.
Perto,
tão perto,
ouço,
gritantes,
os longínquos
pulsos que me circulam,
veias adentro.
A voz,
sempre a voz,
da espera...
No mar me embrenho.
Um corpo só,
rompe o cristalino
em que me escavo.
Estilhaços ignorados,
apenas dois olhos,
duas vistas,
que escorrem
e se escapam desse sal.
Crispo-me,
nada acho,
sou,
apenas.