quarta-feira, 4 de julho de 2007

Linhas... imagens...

A linha ténue
entre a sanidade
e a loucura,
vai sendo traçada
por um dedo
ensaguentado,
que, no seu desespero,
procura não ficar
do lado de lá...
porque escuta e vê
o que mais ninguém
escuta ou vê.
Acocora-se,
o dedo em riste,
as lágrimas quase rebentam
de uns olhos negros.
A ténue linha
entre a realidade e a loucura....

Nada difere
entre o meu corpo
e a sua imagem
no espelho...


(inspirado num poema de Shoshana)