quinta-feira, 31 de março de 2011

K

...

...então, marco as tuas palavras
com o ocre que desmonto da terra;
é da tua boca que escorrem
os últimos impropérios,
os últimos alfabetos
que, de tão crípticos,
carregam consigo as línguas mortas,
geminadas no desejo fatal da hecatombe.
As tuas palavras
podem adormecer no tempo,
paralisadas pelo cordame
que já retesou todo;
esse cordame, pálido,
enfermiço
que se debruça pendular
sob um céu vertiginoso de

                       e
                     s
                   q
                 u
                   e
                     c         l
                       i          e
                   m               t
                 e               a
              n                r
            t                 g
         o                o

(imagem retirada da net)

Etiquetas:

domingo, 27 de março de 2011

K
Troféus

Já caminha velha
a liberdade.
Vai cambaleando,
o bordão da vida
à sua esquerda.
Agora, recolhe-se,
ao fundo do Capitólio,
à direita,
a seguir ao busto de Péricles (...).
(originalmente publicado no blogue
gps em que participo)
(imagem retirada da net)

Etiquetas:

quinta-feira, 24 de março de 2011

K
La vocación de la luna
es la misma del mar:
guardar tus ojos y
tu boca 
para que tus palabras
se queden sencillas *
















baixo então os estores,
(seja-me leve o coração!)
e inclino a cabeça
na espera da gaivota,
que teima no volteio;
sorrio ao espaço,
as folhas são manchas inocentes
no desvelo com que o vento as trata;
no ar pressente-se a sujeição dourada,
a terna entrega da cidade ao rio, 
na entre-vista de Veneza,
na magia do regresso às águas;
sei a tua vocação,
sei que me preparas o caminho,
é para os simples que me crias,
e da minha boca só sairão as palavras...
(...)
que dizer, pois, do pulso 
em que converge a mão,
e que exalta a tecla 
e endeusa a pena?...

(*autor desconhecido)
(fonte da imagem:
http://www.jordelia.com.br/category/livros/;
"Torre de Babel de livros")

Etiquetas:

sexta-feira, 18 de março de 2011

K

contador

Agora,

apetece-me sentar,
contar estrelas
no diapasão temente
que me rodeia;
ouvir os címbalos,
as harpas dedilhadas.

Mãos serenas,
numa agilidade já esquecida;
num fulgor de sete beijos,
ressurge o fulgor obliterante
das fantasias tempestuosas;
restos de relâmpagos,
faustosos,
carregando uma glória
envolta no tempo
antigo…













(publicado
no facebook em 13/3)
(fonte da imagem:
http://browse.deviantart.com/)

Etiquetas:

quarta-feira, 16 de março de 2011

K
Evocação
Sólo una cosa no hay. Es el olvido.
Dios, que salva el metal, salva la escoria
y cifra en Su profética memoria 
las lunas que serán y las que han sido.*
É nesta lembrança que me debato,
Deus de um lado, eu do outro,
as minhas mãos rotas, as Suas espadas,
as minhas preces, os Seus trovões.

Já me dói a memória, o pensamento,
se Ele salva o pecador, que me perdoe
que me eleve no Seu indulto
e com o Seu sorriso me afague.

É tarde, a hora abalou,
o céu acolhe a Lua,
a que é, a que foi.

Sorrio aos Céus, Sua morada,
e evoco a forja do meu resgate,
resgate da minha escória...

(*Jorge Luis Borges,
"Antología poética
1923-1977")
(fonte da imagem:
www.victorscheneider.blogspot.com/)

Etiquetas:

sexta-feira, 11 de março de 2011

K
O Cabo

Neste jogo dou-te todo o avanço,
sim, o que quiseres,
porém,
espera-me no teu sorriso,
na entrada da tua alegria;
posso,
(quem sabe?)
alagar-me na tua festa,
e nadar no teu mosto,
nata e grinalda de ti;
talvez,
(quem sabe?)
me agarre à tua franja
e siga a navegar, 
a navegar sempre,
pelos caminhos do cabo,
pelos atalhos dos ventos,
pelas ilhas do farniente...
(fonte da imagem:
www.ilfornoantico.it)

Etiquetas:

quinta-feira, 10 de março de 2011

K

regresso

Quero submergir no desejo da gaivota
e tornar triunfante,
quase cego,
na ode mística 
do silêncio.

(fonte da imagem: http://portugalnautico.com/index.php/)

Etiquetas:

domingo, 6 de março de 2011

K
Cãs
"envelheço com a boca muda, na salga da palavra impossível
até que se destruam as fábulas.
dobro os joelhos: as mãos de outros dias
como uma brandura atravessada de ruína." *

então, na mudez que me enforca,
estendo as mãos,
desnudas facas,
cobertas de ausências.
não atravesso o rio,
nem ofereço os pulsos às alturas,
apenas quero que as gaivotas
me coroem na solidez dos mitos,
no alvorecer do esquecimento.
agarro a forca,
as minhas mãos negras
tocam o regresso do bulício, 
e o silêncio torna-se pano de fundo,
no meio das ruínas do petit Trianon.
ao partir,  deixei as lágrimas,
soltei-as,
até que as fantasias fossem assoladas
com uma suavidade mesclada de desolação.


(fonte da imagem:
http://fineartamerica.com/)


(* in marés de espanto, o blogue
de marés)

Etiquetas: ,

sexta-feira, 4 de março de 2011

K
grande
É na brusca inquietação
que os meus olhos presos
procuram as praias marejadas
pelos prantos que lá deixaste.
Ansiosas, as minhas mãos vogam
pelo espaço que lhes tolero,
buscam as velas içadas,
os mastros da partida.
As latitudes marcam o meu tempo,
sou mestre e escravo de uma bússola louca,
cinjo as minhas mãos,
encosto os cotovelos.
À parte, o tropel dos sonhos,
o cerrar das portas,
vislumbram os céus
carregados de espumas.

Já provaste a certeza
das coordenadas,
das emoções condenadas?
Já enrugaste os teus pensamentos,
lavrados entre lençóis de devaneio?
Marca o teu caminho,
alinhava os teus passos
e foge da sujeição,
ganha os céus
e cavalga as nuvens,
o teu destino é muito mais do que os astros!


(fonte da imagem:
http://www.silentmotionyoga.com/)

Etiquetas:

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
Article of the Day
Article of the Day provided by TheFreeDictionary

This Day in History
This Day in History provided by TheFreeDictionary

Today's Birthday
Today's Birthday provided by TheFreeDictionary

Quote of the Day
Quote of the Day provided by The Free Library

Hangman
Hangman provided by TheFreeDictionary
tag -->