segunda-feira, 28 de maio de 2012

K

pato

Comendo o pato,
comi-me a mim mesmo,
no meu palato
estavam duas bactérias ferradas,
esperavam restos de ave,
bem curtidas;
esse pato fora,
de fora, claro,
mas também fora o pato
que gizara furtivamente
as revoluções
que me tornaram grande,
com cognome e tudo;
portanto, esse pato fora
eu próprio,
enlevado no espírito
de uma revolta clássica;
há quanto tempo
haviam sido os dobres
a finados,
ou afinados?
Sei hoje
que as águas
já nada obliteram...
que os dias amanhecem
à sombra das palmeiras
que se dobram educadas
sobre um mar
azul-quase-turquesa;
sei, também,
que os patos que enfeitam
as paredes de um caçador,
são apenas objectos
que já nada assinalam,
pois a gula do pâté
já fugiu entre violetas!

(foto do autor
obtida com telemóvel:
Berlengas, Agosto/2011)

Etiquetas:

quarta-feira, 23 de maio de 2012

K

baú


Era um polvo com cinco tentáculos,
mais parecia uma estrela-do-mar.
Era uma expressão zangada
que um loiro falso ostentava.
Era um carro de Fórmula 1
incompleto e roliço.
Era um dragão azul
com uma loira falsa a cavalo.
Era uma bola velha
pintalgada de chutos e manha.
Era assim aquele baú
quando lhe abríamos a tampa;
e, de todos os baús do sótão,
era aquele que não precisava
de etiqueta ou marca:
a sua luz viva brilhava
com um jeito cristalino,
um sorriso que encantava
a doce infância sem tino!

(fonte da imagem:

Etiquetas:

quinta-feira, 17 de maio de 2012

K

águas

Embrulhei-me entre o ontem e o amanhã,
já nem as águas chegavam;
o cais estava deserto de risos,
de infinitas vozes,
e o mar ia lambendo
os restos de algas e de verde
que a memória alcançava.
Navegavam os meus sonhos,
e as carícias que emprestaram
ao riso que te envolvia;
e, assim, entre o ontem
e o amanhã,
num quase-alegre reboliço
pintalgava um alvorecer
que se ia erguendo,
por detrás das águas,
numa quietude transparente.
(foto do autor
obtida com telemóvel)

Etiquetas:

domingo, 6 de maio de 2012

K

a festa do Sol

Com um pedaço de noz
faço um barco,
lanço-me às águas
e, nas lantejoulas das ondas,
construo um baloiço
e encho-me de riso.
Tantas são as gargalhadas
que a noz torna-se cabaça
e o baloiço montanha-russa.
Então, num sorriso terno,
com um pedaço de luz,
o Sol espraia-se por mim,
pela cabaça,
pela montanha-russa
num Cirque du Soleil
em jeito de bruma e púrpura.


(fontes das imagens:
1ª http://playnwisconsin.com/pages/swingsets
2ª http://artsblog.dallasnews.com/archives/)
(publicado em primeiro lugar em 
"Momentos de escrita criativa")

Etiquetas:

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
Article of the Day
Article of the Day provided by TheFreeDictionary

This Day in History
This Day in History provided by TheFreeDictionary

Today's Birthday
Today's Birthday provided by TheFreeDictionary

Quote of the Day
Quote of the Day provided by The Free Library

Hangman
Hangman provided by TheFreeDictionary
tag -->